Novidades do setor de energia

energia-natural-afluente

O que é Energia Natural Afluente? Entenda a importância desse dado

A Energia Natural Afluente, conhecida também pela sigla ENA, é a quantidade de água recebida por uma usina hidrelétrica que pode ser transformada em energia.

Dessa forma, quanto maior for a vazão dos rios que alimentam a usina e a altura do reservatório, maior a capacidade de geração de energia.

Por isso, quando uma hidrelétrica vai ser construída, é feito um estudo completo da região onde se pretende instalá-la.

Isso porque é importante que a estrutura da usina possa aproveitar a vazão do rio, construindo o reservatório na melhor posição e nas dimensões corretas.

A ENA ainda tem outras funções que vamos explicar ao longo deste artigo.

Continue lendo e entenda mais sobre Energia Natural Afluente, como é feito o cálculo e dados sobre a ENA no Brasil.

O que é Energia Natural Afluente?

Energia Natural Afluente ou ENA é um dado que mostra a quantidade de água que chega dos rios que compõem o sistema hídrico da usina e que pode ser transformada em energia.

Essa informação é importante para o acompanhar a evolução dos recursos hidroenergéticos do país e a eficiência de produtividade de cada usina geradora de energia elétrica.

Também é importante para estudar o desenvolvimento da área das hidroelétricas, acompanhando as variações de chuva, de vazão e criando projeções para o futuro.

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), órgão responsável pelo monitoramento do setor, é quem faz o acompanhamento das taxas de Energia Natural Afluente.

Leia também: Despacho centralizado, entenda como o ONS coordena a geração das usinas.

Qual a importância da ENA?

Os estudos hidrológicos são essenciais para garantir um planejamento energético eficiente e produtividade dos sistemas de geração de energia elétrica.

A partir de dados como a Energia Natural Afluente, as análises sobre a capacidade das usinas e possíveis preocupações são mais fidedignas e ajudam na hora de criar ações para melhorar esse cenário.

Por isso, é importante acompanhar a ENA e outros índices para que o país consiga oferecer preços competitivos e ser estratégico nos investimentos em relação à energia.

Como calcular a Energia Natural Afluente?

taxa-ENA-brasil

No cálculo de Energia Natural Afluente são considerados alguns critérios relacionados a cada estação produtiva. São eles:

  • o nível de água do reservatório precisa se manter entre os valores de nível de água mínimo e máximo para operação, salvo em situações excepcionais;
  • cada reservatório, de acordo com sua capacidade, deve ter uma faixa preestabelecida para a taxa de variação diária do nível de água do reservatório;
  • a vazão de água que passa através das turbinas da usina (vazão turbinada) precisa ser compatível com a geração de aproveitamento.

A ENA é calculada, então, a partir das vazões naturais e das produtibilidades correspondente ao armazenamento de 65% do volume útil dos reservatórios hidroelétricos.

Essa taxa pode ser calculada em base diária, semanal, mensal ou anual e, pode se referir, apenas a uma bacia específica ou a um subsistema, de acordo com as configurações das bacias hidrográficas locais.

A fórmula de cálculo da Energia Natural Afluente é:

formula-ena-bacia-subsistema

Detalhando a fórmula temos:

t = intervalo de tempo de cálculo da ENA;

i = aproveitamento pertencente ao sistema de aproveitamentos da bacia considerada;

n = número de aproveitamentos existentes no sistema de aproveitamentos da bacia considerada;

Qnat = vazão natural do aproveitamento no intervalo de tempo considerado;

p = produtibilidade média do conjunto turbina-gerador do aproveitamento hidrelétrico, referente à queda obtida pela diferença entre o nível de montante, correspondente a um armazenamento de 65% do volume útil, e o nível médio do canal de fuga;

j = aproveitamento pertencente ao sistema de aproveitamentos do subsistema considerado;

m = número de aproveitamentos existentes no sistema de aproveitamentos do subsistema considerado.

Como está o desempenho do ENA no Brasil?

Pelo site do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), é possível analisar o histórico de desempenho da taxa de ENA de todos os quatro subsistemas nacionais.

Entre o período de janeiro de 2020 a junho de 2021, houve uma queda grande no valor da Energia Natural Afluente em todos os subsistemas em meados de setembro de 2020.

A crise hídrica na qual o Brasil se encontra tem efeito direto nesse valor, pois é a água da chuva que alimenta os rios e, consequentemente, aumenta a vazão das águas.

No gráfico abaixo, é possível ver que a curva da ENA está em queda na maioria dos subsistemas. Nele, observamos que em termos da Média de Longo Termo (MLT), que é a média aritmética das vazões naturais desde 1931, calculada para acompanhar o histórico de desempenho, o Sudeste não apresenta chuvas acima da média desde fevereiro de 2020.

comparativo-ena-susistemas-brasil
Fonte: ONS.

Entenda mais sobre o cenário atual no post “Chuva e economia: estamos passando por uma crise hídrica?”

Entender termos técnicos como Energia Natural Afluente e sua influência na geração de energia, permite compreender melhor a realidade brasileira.

As hidrelétricas são as principais fontes de energia geradora do país, mas com a escassez de chuva, as fontes renováveis e outros tipos de energia têm se destacado.

Afinal, um país com grandes dimensões com o Brasil e com a nossa variedade de climas, permite explorar as várias formas de geração de energia.

Encontre novas fontes de energia para sua empresa!

Você está ligando na eficiência energética do seu negócio? Já pensou em comprar energias de outras fontes e por um preço mais barato?

A migração para o Mercado Livre de Energia pode ser o caminho para conhecer novas possibilidades e fornecedores no mercado.

Para ter uma gestão de energia eficiente dentro do Mercado Livre de Energia, conheça a Esfera e saiba quais estratégias de contratação de energia podem favorecer mais o seu negócio.

Saiba tudo sobre o Mercado Livre de Energia