Como ter energia elétrica limpa nos condomínios

energia elétrica limpa nos condomínios

Pensar no consumo de energia elétrica é sempre algo que requer planejamento. O assunto está sempre em pauta nos condomínios residenciais. Síndicos e condôminos vivem em busca de formas para reduzir os gastos, principalmente diante da vigência de altas bandeiras tarifárias na cobrança da energia.

O fornecimento de energia elétrica pelos meios tradicionais está ficando cada vez mais caro no país. Segundo a Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel), a média de aumento anual entre 2015 e 2021 foi de 16,3%, enquanto a variação média do IPCA ficou em 6,7% – ou seja, houve um crescimento de 237% acima da inflação.

A distribuição de energia no Brasil é dividida em fontes renováveis – hidrelétrica, solar e eólica – e as vindas de combustíveis fósseis, como carvão mineral, petróleo e gás natural. De toda a matriz nacional, a principal fonte de energia é a hidráulica, com as usinas hidrelétricas. Mas, apesar de ser considerada renovável e limpa, esta fonte provoca impactos socioambientais, além de emitir dióxido de carbono e metano (gases associados ao aquecimento global).

O interesse por outras fontes renováveis e o atual preço elevado da energia têm direcionado empresas e condomínios a seguirem em busca de novas opções para o abastecimento de energia. E é possível encontrar maneiras de diminuir em até 16% o valor pago pela energia consumida. Quer saber mais? Confira abaixo alguns exemplos.

Instalação isolada

Esse modelo envolve a instalação de equipamentos para atender a uma demanda local, podendo também ser conhecido como pequena central de geração de energia. Dos diferentes modelos de produção, a eólica e a solar são as mais conhecidas.

A produção de energia eólica exige a instalação de turbinas que não têm ligação com a rede de distribuição nacional. A desvantagem é que o equipamento é grande e produz um alto nível de poluição sonora, o que torna não recomendável para regiões residenciais.

Outra possibilidade é focar na energia solar. São os famosos painéis que podemos ver já em algumas casas e prédios. O modelo é muito prático e econômico, contudo, o custo inicial com equipamentos e instalação é bastante elevado. A questão financeira desta opção precisa ser planejada e os benefícios do longo prazo considerados. Além disso, o condomínio pode viabilizar a instalação por meio de um crédito especializado.

Ambiente de Contratação Livre (ACL)

O modelo conta com negociação direta com os comercializadores no Mercado Livre de Energia e é possível combinar valores, volume, tempo de fornecimento e outros detalhes sobre o fornecimento de energia. Há ainda vantagens caso seja utilizada a energia incentivada (fontes limpas e renováveis): descontos de 50% a 100% nas tarifas de uso dos sistemas de transmissão e distribuição.

Trata-se de algo mais viável para grupos empresariais e indústrias, por conta dos detalhes para a obtenção de taxas vantajosas – por exemplo, a necessidade da demanda mínima contratada de 500 kW, o que equivale a uma conta de R$ 40.000, em média – e dos cuidados com os contratos que são gerados ao fechar com um comercializador (um com a geradora de energia e outro com a distribuidora).

Geração distribuída

A geração distribuída é relativamente nova e desconhecida no Brasil, tendo sido regulamentada em 2012 pela portaria Resolução Normativa ANEEL nº 482/2012. É uma alternativa atrativa e barata para os consumidores finais e condomínios. Funciona assim: uma empresa intermediária conecta os clientes com uma rede de pequenos produtores de energia limpa.

Os produtores escolhidos abastecem a rede da distribuidora da cidade (Cemig, CPFL, Enel etc) e a empresa intermediária gera créditos de energia limpa que serão abatidos no consumo mensal dos contratantes. É um modelo que não exige instalação de equipamentos, realização de obras e, dependendo de quem contratou, a necessidade de arcar com os custos da adesão. E a energia limpa é entregue direto na residência dos consumidores com descontos que podem chegar a 16% da fatura.

Mas como implantar a energia limpa nos condomínios?

A implantação vai depender do modelo desejado, mas vamos nos concentrar no de geração distribuída por ser o mais vantajoso para o mercado condominial.

Primeiramente, vale destacar que, no caso de um condomínio, há a necessidade do projeto passar por aprovação em assembleia. O mais indicado para administradoras e síndicos é solicitar os materiais de apresentação ou até a companhia de um consultor da empresa para apresentar o serviço aos condôminos.

A aprovação precisa ser registrada e haver o preenchimento do cadastro de adesão ao novo modelo. Com o contrato avaliado e assinado, a rede de distribuição será avisada que você faz parte da plataforma e passará a deduzir o consumo com energia limpa da sua conta de luz todos os meses.

Sobre a Superlógica

A Superlógica é a parceira das administradoras de condomínios e imobiliárias de todo Brasil. São mais de 20 anos de atuação e uma liderança do setor condominial, com mais de 7 milhões de boletos emitidos mensalmente por meio da plataforma.

Nascemos em Campinas como um software de gestão e evoluímos para a mais completa plataforma tecnológica e financeira dos mercados em que atuamos. Seguimos crescendo e acreditamos que somente juntos podemos transformar o modo de viver e conviver, aliando as mais modernas tecnologias com a proximidade que só quem está no dia a dia com o cliente consegue ter.

O que é e como pedir tarifa branca na conta de luz?

como-pedir-tarifa-branca

Sabia que os seus hábitos de consumo de energia elétrica podem ajudar a economizar no fim do mês. Isso é possível aprendendo o que é e como pedir a tarifa branca na conta de luz.

A economia pode chegar a 15%, de acordo com o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec). Então, se você se adequar às exigências de forma consistente, com certeza esse benefício será bem aproveitado.

Para alinhar as expectativas de economia, antes de solicitar para sua distribuidora local a bandeira branca na conta de luz, é importante entender como essa possibilidade funciona.

Então, continue a leitura do artigo e aprenda tudo sobre a tarifa branca e como aproveitá-la para economizar nos gastos com energia elétrica.

O que é a tarifa branca?

A tarifa branca é uma das opções de bandeiras tarifárias existentes no país na qual o consumidor é cobrado de acordo com o horário em que a energia é consumida.

Ao longo do dia existem três faixas de preço diferentes (na tarifa branca essas faixas valem para dias de semanas, feriados e também para os fins de semana). São elas:

  • Ponta: das 18h até as 22h*. É a faixa em que a energia fica mais cara devido ao aumento do consumo;
  • Intermediário: de 12h às 18h. O preço sobe um pouco, considerado intermediário;
  • Fora ponta: de 22h até 12h. Vai do fim da noite, madrugada até o fim da manhã e é a mais barata das três faixas.
    * Os intervalos de horário podem variar de estado para estado.

A tarifa branca foi criada em 2018 pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Atualmente, todas as todas as unidades consumidoras do país têm o direito de solicitar a adesão nesta modalidade, de acordo com a Resolução Normativa nº 1000.

Qual a diferença entre tarifa branca e tarifa convencional?

O sistema de cobrança da tarifa branca é baseado no horário em que o consumo na unidade acontece. Cada faixa de horário do dia tem um valor cobrado pelo kWh (kilowatt hora), estabelecido pela distribuidora local.

Já a tarifa convencional tem um valor fixo para o kWh que pode aumentar de acordo com a bandeira tarifária determinada para o período (verde, amarela ou vermelha). Entenda como elas funcionam no vídeo abaixo:

Então, para quem a tarifa branca é vantajosa?

A tarifa branca é vantajosa para os consumidores que utilizam mais energia elétrica nas faixas de horário em que o valor cobrado é mais barato.

Por exemplo, se uma pessoa trabalha ou estuda durante a noite, passando o horário de pico de consumo fora de casa, pedir a tarifa branca é uma alternativa vantajosa.

Então, analise seus hábitos de consumo e se eles se mantém de forma consistente para que a mudança resulte em economia na conta de luz.

Como solicitar a bandeira branca na conta de luz?

Para solicitar a bandeira branca na conta de luz, o primeiro passo é se informar com a distribuidora que atende a sua região sobre:

  • os horários em que a energia é mais cara e mais barata;
  • os valores das faixas da tarifa branca e o valor fixo da tarifa convencional.

Em seguida, é preciso analisar o perfil de consumo dentro da sua residência ou estabelecimento, levando em consideração os equipamentos elétricos utilizados e sua influência no consumo mensal da unidade.

Fez a análise e concluiu que vale a pena? Então, basta entrar em contato com a distribuidora para abrir uma solicitação de adesão à tarifa branca.

A partir do pedido, a empresa tem um prazo de 30 dias para instalar o novo medidor de energia na unidade. A instalação é um serviço prestado gratuitamente.

Existe a possibilidade de retornar ao sistema de cobrança tradicional? Sim. Basta entrar em contato novamente com a distribuidora que tem os mesmos 30 dias para colocar a unidade de volta na tarifa convencional.

IMPORTANTE: caso decida pedir a tarifa branca novamente depois de sair, a unidade passa por um período de carência de 180 dias. Só depois desse tempo é possível solicitar outra vez a tarifa branca.

Quais são os principais riscos da tarifa branca?

Um dos principais riscos da tarifa branca é não conseguir mudar os hábitos de consumo para as faixas mais baratas, caso não seja algo que já acontece na unidade.

Essa inconsistência tem impacto na economia alcançada, podendo ficar até mais caro, caso seu consumo maior na tarifa branca seja no horário de pico de consumo no país (18h às 22h, em média).

Por isso, esteja 100% seguro de que a rotina do seu imóvel pode ser mudada e mantida de forma consistente para aproveitar as vantagens de pedir a tarifa branca.

Leia também: Aprenda como fazer uma campanha de economia de energia elétrica na sua empresa.

Energia mais barata e limpa: essa opção já existe!

A tarifa branca não é a única opção disponível para economizar nos gastos com energia elétrica.

Se além de pagar menos, você também quer priorizar o uso de fontes de energia sustentáveis geradas por produtores terceirizados, essa solução já está disponível.

As empresas e consumidores que forem atendidos pela Cemig em Minas Gerais, podem economizar 16% na conta de luz usando fontes de energia limpa.

A plataforma digital da Esfera conecta os clientes a uma rede de pequenos produtores de energia limpa que abastecem a rede da Cemig. Assim, você pode consumir e receber sua conta de luz com o desconto todo mês.

Como os produtores estão na mesma região dos clientes, o custo da energia é menor que o das fontes tradicionais. Faça o cadastro para contratar energia Esfera e comece a economizar hoje mesmo!