Existem riscos no Mercado Livre de Energia?

O principal benefício do Mercado Livre de Energia é a autonomia do consumidor para contratar a sua própria energia. Mas será que existe risco no Mercado Livre? Respondemos que sim, e que ele pode elevado dependendo da forma como é feita a gestão de energia. Continue com a gente para entender mais sobre o assunto. 

Entenda a influência das chuvas no Mercado de Energia

O mercado de energia brasileiro possui especificidades como uma matriz energética com mais de 60% da capacidade de produção de fonte hidroelétrica, tornando a geração extremamente dependente das chuvas, que como bem sabemos é uma variável de difícil previsibilidade e alta complexidade. Além do volume de chuvas também temos o fator  da localização de onde essa chuva cairá, pois de nada adianta chover em regiões onde não existem usinas ou reservatórios, ou chover em reservatórios que estão próximos do limite máximo de armazenamento, resultando em um sistema complexo e extremamente volátil

Dessa forma, para tentar otimizar o aproveitamento das chuvas tanto no locacional quanto temporalmente, foram desenvolvidos modelos de otimização cujo objetivo é despachar as usinas buscando maximizar os recursos hídricos, de forma a garantir o fornecimento atual de energia e se precaver do risco de um apagão no futuro.

O PLD no Mercado de Energia

Como resultado, um dos produtos desses modelos de otimização é o PLD (Preço de Liquidação das Diferenças), valor calculado em R$/MWh que é utilizado na liquidação da energia no mercado de curto prazo (MCP). Quando o consumidor livre não contrata energia, seu fornecimento é garantido, porém será liquidado na CCEE ao custo do PLD além de sofrer as consequências regulatórias.

Diante dessa introdução sobre formação do PLD e sua influência sobre os preços dos contratos, confira o gráfico do histórico do PLD comparado ao histórico do preço médio da tarifa de energia das distribuidoras para a categoria alta tensão.

No horizonte da análise, o PLD ultrapassou o valor médio da tarifa de energia das distribuidoras em vários momentos, como por exemplo de 2013 à 2015. Nessas situações, o consumidor livre descontratado teve uma despesa de compra maior comparado ao valor praticado pela distribuidora do Mercado Cativo, mesmo estando no Mercado Livre. 

Estar descontratado no Mercado Livre de Energia, seja devido a uma má gestão de contratação ou por qualquer outro motivo, é o maior risco que o consumidor pode se expor. Ficar exposto ao PLD pode resultar em despesas, pois o o seu valor já chegou a ultrapassar o dobro do custo praticado no Mercado Cativo.

Assim como ficar exposto ao Mercado de Curto Prazo, uma estratégia mal definida ou a falta de uma estratégia, pode resultar em contratação em momentos inoportunos. Uma contratação no momento correto, pode garantir longos períodos de custo de compra de energia abaixo do mercado, garantindo assim, maior competitividade.

Como o PLD é o preço que será aplicado às sobras e déficits no momento da liquidação, este se torna a referência para a formação dos preços de contratos.

No gráfico abaixo comparamos o histórico do PLD versus as cotações de preços de mercado para produtos anuais.

O que observamos no gráfico, é que quanto mais próximo estamos do início de fornecimento do contrato, maior é a volatilidade dos preços.

Com isso o conceito de maturidade, distanciamento do início de suprimento do contrato, é extremamente importante no mercado de energia, pois produtos mais distantes tendem a apresentar preços menores e com menor volatilidade, entretanto, quanto mais distante é o contrato, maior é o período de indexação, gerando um trade off entre contratação de longo prazo e risco de indexação.

E quanto mais próximo estamos da entrega da energia, maior é a correlação com o PLD consequentemente maior o risco de captura de preços elevados e alta volatilidade.

O gráfico abaixo ilustra a volatilidade histórica dos produtos anuais por maturidade nos valores atuais de mercado. Fica nítido a amplitude que o preço pode atingir nos produtos mais próximos e a média maior, enquanto os produtos mais distantes possuem amplitude e média menores. 

Recentemente, em decorrência da pandemia, os preços sofreram uma forte redução chegando ao menor patamar dos últimos anos, e a expectativa era de se manter nesse patamar até pelo menos o primeiro semestre de 2021, entretanto, a escassez de chuvas e a elevação da carga resultou em aumento do PLD que acabou puxando os preços de 2021 principalmente.

Toda essa dinâmica de preços deve ser levada em consideração no desenho da estratégia de contratação de energia, deixando claro sobre os riscos do Mercado Livre e de como mitigá-los.

Para uma gestão de energia inteligente e eficiente, entre em contato conosco e saiba mais sobre nossas estratégias e políticas de contratação de contratação de energia. 

Entenda as diferenças entre ACR e ACL na compra de energia

diferenças entre acr e acl

Quem deseja entender como funciona o mercado de contratação de energia elétrica no Brasil precisa compreender o que significam Ambiente de Contratação Regulada (ACR) e Ambiente de Contratação Livre (ACL). 

Essas duas siglas se referem aos dois modelos de compra de energia no país, e entender como cada um deles funciona pode representar uma grande diferença no valor gasto com as contas de energia.

Continue conosco para saber a diferença entre Ambiente de Contratação Regulada e Ambiente de Contratação Livre. Ao fim deste conteúdo, você terá todas as informações necessárias para entender qual é o melhor modelo de compra de energia elétrica para a sua empresa. 

O que é o Ambiente de Contratação Regulada (ACR) e como funciona

O Ambiente de Contratação Regulada (ACR) é formado pelos consumidores cativos. Nele, a energia é comprada pelas distribuidoras por meio de leilões, e o preço é determinado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

O consumidor cativo é aquele que só pode comprar energia elétrica da concessionária responsável pela distribuição em sua região, naquele que é o modelo mais comum para residências e pequenas empresas.

No Mercado Cativo, as tarifas são reguladas pelo governo, e cada unidade consumidora paga uma fatura mensal, que inclui o serviço de distribuição e a geração de energia.

O preço de energia elétrica pago pelo consumidor é influenciado pelo sistema de bandeiras tarifárias praticadas pela ANEEL. Quando as condições de geração de energia são consideradas desfavoráveis — em períodos de seca, por exemplo —, as tarifas se tornam mais caras para o consumidor.

O que é o Ambiente de Contratação Livre (ACL) e como funciona

O Ambiente de Contratação Livre (ACL) é aquele conhecido como o Mercado Livre de Energia. Neste ambiente de negociação, os consumidores negociam as condições de compra de energia elétrica diretamente com as geradoras ou comercializadoras.

No ACL, o consumidor mantém dois contratos: um com a distribuidora, pelo uso do fio de transmissão, e outro com a geradora, que será a responsável por comercializar a energia.

A fatura paga pelo serviço de distribuição feito pela concessionária local tem preço regulado. Já as condições referentes a preço, prazo e volume de energia são livremente negociadas entre o consumidor livre e a geradora ou comercializadora.

Dessa forma, no Mercado Livre de Energia, as empresas podem encontrar melhores condições e negociar valores inferiores àqueles que normalmente pagariam pela energia comprada das distribuidoras no Ambiente de Contratação Regulada.

Enquanto o ACR tem os consumidores cativos, o Ambiente Livre é formado por consumidores livres e consumidores especiais.

Os consumidores livre são aqueles que têm demanda mínima de 1.500 kW e possibilidade de escolha de seu fornecedor de energia elétrica por meio de livre negociação.

Já os consumidores especiais têm demanda entre 500 kW e 1,5 MW, com o direito de adquirir energia de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) ou de fontes incentivadas especiais (eólica, biomassa ou solar).

Caso o consumidor não tenha demanda suficiente para operar sozinho no Ambiente de Contratação Livre, é possível realizar comunhão com outras unidades consumidoras para atingir o nível mínimo de demanda de 0,5 MW.

Nesse caso, empresas vizinhas ou do mesmo grupo econômico somam suas demandas para chegar aos 500 kW.

Diferenças entre ACR e ACL na contratação de energia elétrica

A principal diferença entre Ambiente de Contratação Regulada (ACR) e Ambiente de Contratação Livre (ACL) está no modelo de contratação de energia elétrica.

Enquanto o consumidor pode negociar as condições de preço, prazo e volume diretamente com a geradora ou comercializadora no Mercado Livre de Energia, os valores praticados no Ambiente Regulado são estabelecidos pelo governo, por meio da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Porém, essa não é a única diferença entre ACR e ACL. Confira, abaixo, quais são as particularidades de cada um dos ambientes de contratação de energia elétrica no Brasil.

ACR_ACL

Quem participa

  • Ambiente de Contratação Regulada (ACR): geradoras, distribuidoras e comercializadoras de energia elétrica, sendo que as comercializadoras podem negociar energia apenas nos leilões realizados pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), sob delegação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).
  • Ambiente de Contratação Livre (ACL): geradoras de energia elétrica, comercializadoras, consumidores livres e consumidores especiais.

Como é a contratação de energia elétrica

  • Ambiente de Contratação Regulada (ACR): realizada por meio de leilões pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), sob delegação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Os consumidores finais adquirem a energia elétrica distribuída pelas concessionárias que atuam em suas regiões.
  • Ambiente de Contratação Livre (ACL): acontece em livre negociação entre os consumidores de energia elétrica e geradoras e comercializadoras.

Quais são os tipos de contrato

  • Ambiente de Contratação Regulada (ACR): chamado de Contrato de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado (CCEAR), é regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).
  • Ambiente de Contratação Livre (ACL): preço, prazo, volume de energia, forma de pagamento e todos os outros fatores relacionados ao acordo são estabelecidos livremente entre consumidores e geradoras ou comercializadoras.

Como é determinado o preço da energia elétrica

  • Ambiente de Contratação Regulada (ACR): estabelecido em leilão realizado pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). Para o consumidor final, as tarifas são reguladas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e podem sofrer oscilações de acordo com a bandeira tarifária vigente.
  • Ambiente de Contratação Livre (ACL): o preço, assim como a forma de pagamento e o prazo, é acordado entre o consumidor e a geradora ou comercializadora de energia elétrica.

Como migrar do Ambiente Regulado para o Ambiente Livre

O Mercado Livre de Energia permite que as empresas negociem as melhores condições de compra de energia elétrica e, assim, possam atingir grandes índices de economia. Porém, para realizar a migração do Ambiente Regulado, é necessário que a empresa atenda a todos os requisitos para participação no Ambiente Livre.

Assim, é recomendável recorrer a consultorias especializadas, que fornecem o acompanhamento de todo o processo de migração de ACR para ACL.

A Esfera Energia realiza o planejamento com análises técnica e regulatória minuciosas, deslumbrando, desde o começo, os ganhos a serem gerados.

Os consumidores ganham voz na negociação com os maiores geradores de liquidez deste mercado em busca dos melhores termos para os seus orçamentos, sem conflitos de interesse ou qualquer forma de comissionamento.

O acompanhamento vai desde a contratação de energia até as questões burocráticas que envolvem a migração para o Mercado Livre, com ações rápidas a cada ajuste regulatório. Para entender as necessidades de sua empresa, fale com um especialista Esfera!

Entenda como a CCEE gere o Mercado Livre de Energia no Brasil

Mercado Livre de Energia CCEE

As empresas que decidem atuar no Mercado Livre de Energia no Brasil devem se vincular à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). Essa é a entidade que regula a compra e venda de energia elétrica no Brasil.

Atualmente, a CCEE conta com mais de 10 mil associados. Entender o seu funcionamento é fundamental para compreender como é definido o preço de energia elétrica no Brasil e identificar quais são as melhores condições de negociação no Mercado Livre de Energia.

Continue conosco para saber como funciona a CCEE, como é composta a entidade e o que é levado em consideração para o cálculo do preço de energia elétrica no Brasil.

O que é e como funciona a CCEE

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) é a entidade responsável por gerir o mercado de energia elétrica no Brasil. Sem fins lucrativos, ela foi criada pela Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, e é regulamentada pelo decreto Nº 5.177, de 12 de agosto de 2004.

A CCEE viabiliza as atividades de compra e venda de energia elétrica no país e realiza a contabilização e a liquidação financeira no mercado de curto prazo.

Assim, a entidade faz o cálculo do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD), divulgado semanalmente e usado para valorar as operações de compra e venda de energia no Brasil.

Confira, a seguir, quais são as diversas responsabilidades da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica.

Responsabilidades da CCEE

Conforme a própria entidade, são responsabilidades da CCEE:

  • Implantar e divulgar regras e procedimentos de comercialização;
  • Fazer a gestão de contratos do Ambiente de Contratação Regulada (ACR) e do Ambiente de Contratação Livre (ACL);
  • Manter o registro de dados de energia gerada e de energia consumida;
  • Realizar leilões de compra e venda de energia no ACR, sob delegação da Aneel;
  • Realizar leilões de Energia de Reserva, sob delegação da Aneel, e efetuar a liquidação financeira dos montantes contratados nesses leilões;
  • Apurar infrações que sejam cometidas pelos agentes do mercado e calcular penalidades;
  • Servir como fórum para a discussão de ideias e políticas para o desenvolvimento do mercado, fazendo a interlocução entre os agentes do setor com as instâncias de formulação de políticas e de regulação.

Como é formada a CCEE

A CCEE é uma entidade sem fins lucrativos, sendo mantida pelas empresas que compram e vendem energia no Brasil, como as empresas geradoras (concessionárias de serviço público, produtores independentes e autoprodutores), distribuidoras, comercializadoras, importadoras e exportadoras de energia elétrica, além dos consumidores livres.

Um Conselho de Administração, composto por cinco membros eleitos pela Assembleia Geral dos Associados, é responsável pela gestão da entidade. 

Já a Superintendência da CCEE garante a execução das decisões e diretrizes estratégicas adotadas pelo Conselho de Administração e atua como responsável pelas questões operacionais da instituição. 

O organograma da entidade é composto ainda pelo Conselho Fiscal, cuja função é zelar pelo cumprimento dos deveres estatutários e fiscaliza os atos administrativos.

Em julho de 2020, a CCEE chegou à marca de 10 mil associados. Entre eles, mais de 69% são compostos por consumidores especiais, ou seja, aqueles que têm demanda entre 500 kW e 1,5MW. 

Já os consumidores livres — que têm demanda mínima de 1.500 kW — compunham pouco menos de 10% dos associados da CCEE.

Os demais agentes são: produtores independentes (15,3%); comercializadoras (3,7%); autoprodutores (0,7%); e geradores a título de serviço público (0,4%). 

Como a CCEE calcula o Preço de Liquidação das Diferenças (PLD)

A CCEE é responsável pela contabilização e pela liquidação financeira no mercado de curto prazo de energia. A entidade realiza o cálculo e da divulgação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD), que é usado como referência de valores nas operações de compra e venda de energia. 

De acordo com a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, “o PLD é um valor determinado semanalmente para cada patamar de carga com base no Custo Marginal de Operação, limitado por um preço máximo e mínimo vigentes para cada período de apuração e para cada Submercado”.

Para o cálculo do PLD, a CCEE leva em consideração que a maior parte do parque de energia elétrica do Brasil é formado por hidrelétricas. O objetivo é manter o equilíbrio entre a capacidade de energia atual das águas e a capacidade futura de armazenamento, medido em termos da economia esperada dos combustíveis das usinas termelétricas.

Embora o máximo consumo de energia hidrelétrica possa minimizar os custos de combustível e ser a alternativa mais econômica, esse raciocínio poderia levar a riscos futuros. 

A confiabilidade de fornecimento de energia elétrica no Brasil depende justamente de manter o nível dos reservatórios o mais elevado possível. Por isso, é feito o uso de gerações térmicas, o que aumenta os custos de operação.

Assim, para definir a geração hidráulica e a geração térmica de cada submercado, a CCEE utiliza modelos matemáticos que consideram:

  • condições hidrológicas; 
  • demanda de energia; 
  • preços de combustível; 
  • custo de déficit; 
  • entrada de novos projetos; 
  • disponibilidade de equipamentos de geração e transmissão.

A partir da análise desses fatores e da definição das gerações elétrica e térmica, são alcançados os Custos Marginais para Operação (CMO) para o período estudado. 

Para o cálculo do PLD, não são consideradas restrições de transmissões em cada submercado. A CCEE considera a energia comercializada como disponível de forma igualitária em todos os pontos de consumo. Dessa forma, é praticado o mesmo preço para todas as regiões.

O Preço de Liquidação das Diferenças é divulgado semanalmente e impacta no valor que os consumidores do Mercado Livre de Energia negociam com geradoras ou comercializadoras.

Assim, para assegurar as melhores condições de negociação, é recomendável que as empresas contem com o acompanhamento de consultorias especializadas.

A Esfera Energia analisa variáveis e diferentes cenários do Mercado Livre de Energia para identificar os melhores preços para seus clientes. Além disso, são realizadas cotações com diferentes players antes da escolha de uma comercializadora.

Fale com um especialista da Esfera e encontre as melhores condições de preços, prazos e volume ao comprar a energia elétrica para sua empresa!

Entenda o que é e como funciona o Mercado Livre de Energia

O que é mercado livre de energia

Você sabia que sua empresa pode adquirir energia elétrica de outros fornecedores além das tradicionais concessionárias? Isso é possível graças ao Mercado Livre de Energia, que permite ao consumidor negociar diretamente com o gerador ou comercializador de energia elétrica.

A possibilidade de negociar preços, prazo e volume de acordo com a própria demanda já motivou mais de 10 mil empresas a migrarem do mercado cativo. Mesmo com a crise provocada pela pandemia de Covid-19, o mercado livre cresceu 11% na comparação entre julho de 2020 com o mesmo mês do ano anterior.

Entenda, a seguir, o que sua empresa precisa fazer para se juntar a essas outras milhares de companhias e desfrutar das diversas vantagens proporcionadas pelo Mercado Livre de Energia.

O que é o Mercado Livre de Energia?

O Mercado Livre de Energia é um ambiente de negociação em que os consumidores negociam preços, prazo, volume e forma de pagamento diretamente com as geradoras ou comercializadoras de energia elétrica. 

Assim, os consumidores não ficam reféns das tarifas reguladas pelo Governo e têm a liberdade de escolher fornecedores. 

Em comparação aos preços praticados pelas distribuidoras de energia, os valores do Mercado Livre de Energia são extremamente competitivos, o que permite aos consumidores uma expressiva economia em seus gastos com energia.

Como funciona o Mercado Livre de Energia?

O mercado de energia elétrica no Brasil é dividido entre Ambiente de Contratação Regulada (ACR), formado por consumidores cativos, e o Ambiente de Contratação Livre (ACL), em que estão os consumidores livres.

No Ambiente de Contratação Regulada, a energia é comprada pelas distribuidoras por meio de leilões, e o preço é determinado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). 

Os consumidores cativos compram a energia elétrica das concessionárias de distribuição responsáveis pela distribuição em suas regiões. Com as tarifas reguladas pelo governo, cada unidade consumidora paga uma fatura mensal, que inclui o serviço de distribuição e a geração de energia.

Já no Mercado Livre de Energia, o consumidor livre é quem compra a energia, negocia o preço e as condições de pagamento.

Neste ambiente, o consumidor livre mantém dois contratos: um com a distribuidora, pelo uso do fio de transmissão, e outro com a geradora, que será a responsável por comercializar a energia.

A fatura paga pelo serviço de distribuição feito pela concessionária local tem preço regulado, enquanto as condições referentes a preço, prazo e volume de energia são livremente negociadas entre o consumidor livre e a geradora ou comercializadora.

Ou seja, no Mercado Livre de Energia, as empresas podem encontrar melhores condições e negociar valores inferiores àqueles que normalmente pagariam pela energia comprada das distribuidoras no Ambiente de Contratação Regulada.

Quem pode participar do Mercado Livre de Energia?

Qualquer indústria ou comércio que esteja ligado em média ou alta tensão pode participar do Mercado Livre de Energia no Brasil, desde que atenda a alguns requisitos. 

O primeiro deles é participar da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). Além disso, é preciso se enquadrar em uma das seguintes categorias:  

  • Consumidor Livre: demanda mínima de 1.500 kW e possibilidade de escolha de seu fornecedor de energia elétrica por meio de livre negociação.
  • Consumidor Especial: demanda entre 500 kW e 1,5MW, com o direito de adquirir energia de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) ou de fontes incentivadas especiais (eólica, biomassa ou solar). 
  • Comunhão: a empresa que não tenha demanda suficiente para operar sozinha no Ambiente de Contratação Livre pode realizar comunhão com outras unidades consumidoras para atingir o nível mínimo de demanda de 0,5 MW. Isso somente é válido para consumidores com o mesmo CNPJ ou localizados em área contígua (sem separação por vias públicas).

A comunhão permite que empresas vizinhas ou do mesmo grupo econômico somem suas demandas para chegar aos 500 kW e, assim, desfrutar das diversas vantagens do Mercado Livre de Energia. Saiba mais sobre esses benefícios logo abaixo.

Vantagens do Mercado Livre de Energia

A migração para o Mercado Livre Energia oferece diversas vantagens para as empresas que mantêm alto consumo de energia elétrica. O principal deles é a possibilidade de diminuir custos, já que a contratação é feita diretamente do fornecedor e permite a negociação de preços e prazos. 

Confira outros benefícios de quem adere ao Ambiente de Contratação Livre (ACL):

Liberdade de escolha do fornecedor

No Ambiente de Contratação Regulada (ACR), o consumidor pode adquirir energia elétrica apenas da distribuidora responsável pelo fornecimento em sua região. Assim, não há liberdade de escolha de fornecedor. 

Já no Mercado Livre, a empresa pode identificar qual geradora atende melhor às suas demandas e negociar as melhores condições de contratação.

Contratação de carga sob medida

No Mercado Livre, o consumidor pode contratar o volume de energia de acordo com a demanda de sua empresa numa negociação feita diretamente com a geradora. Há flexibilidade para adequar preço, volume, prazo e forma de reajuste, além de prever sazonalidades.

Redução significativa nos custos com energia elétrica

Comparados aos preços praticados pelas distribuidoras de energia, os valores negociados no Mercado Livre de Energia são extremamente competitivos. Assim, os consumidores alcançam até 35% de redução de custos com energia elétrica.

Previsibilidade orçamentária

Na contratação de energia elétrica no mercado livre, as empresas negociam valores que serão válidos por todo o período de contrato. Assim, não ficam suscetíveis às bandeiras tarifárias que influenciam os valores cobrados pelas concessionárias.

Amplo poder na tomada de decisões

O Mercado Livre de Energia é um ambiente de negociação que possibilita a escolha do fornecedor de acordo com os critérios estabelecidos pela própria empresa. A decisão sobre a melhor relação entre custo e benefício fica inteiramente nas mãos do consumidor.

Como migrar para o Mercado Livre de Energia

Caso atenda aos critérios de elegibilidade, o consumidor pode migrar para o Mercado Livre de Energia seguindo 8 passos:

  1. Avaliar requisitos de tensão e demanda;
  2. Realizar estudos de viabilidade econômica;
  3. Analisar os contratos vigentes com a distribuidora;
  4. Negociar e assinar o contrato de fornecimento no Mercado Livre com um gerador ou comercializador;
  5. Denunciar o contrato de fornecimento à atual distribuidora;
  6. Negociar e assinar o Contrato de Uso de Sistema de Distribuição (CUSD) com a distribuidora à qual a unidade está conectada;
  7. Adequar seu sistema de medição de consumo com a distribuidora conforme a legislação vigente;
  8. Aderir à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Se sua empresa tem o interesse em fazer a migração para o Mercado Livre de Energia, é recomendável recorrer a consultorias especializadas, que fornecem o acompanhamento de todo o processo. 

Esfera Energia realiza o planejamento com análises técnica e regulatória minuciosas, deslumbrando, desde o começo, os ganhos a serem gerados. Os consumidores ganham voz na negociação com os maiores geradores de liquidez deste mercado em busca dos melhores termos para os seus orçamentos, sem conflitos de interesse ou qualquer forma de comissionamento.

O acompanhamento vai desde a contratação de energia até as questões burocráticas que envolvem a migração para o Mercado Livre, com ações rápidas a cada ajuste regulatório. Para entender as necessidades de sua empresa, fale com um especialista Esfera!

Serviço Boutique no Mercado Livre de Energia com foco na economia de cada cliente

Ter uma gestão eficiente no Mercado Livre de Energia proporciona uma economia ainda maior para as empresas. Para isso, é essencial que a gestora que faz a representação conheça todos os detalhes sobre cada cliente, trace o seu perfil de consumo e o seu perfil de mercado e, assim, encontre as melhores oportunidades de operações.

Uma boa operação no Mercado Livre depende de diversas variáveis que precisam ser monitoradas diariamente e são através desses monitoramentos que surgem as melhores oportunidades de ganho. 

Empresas diferentes precisam de estratégias diferentes. É por isso que as análises precisam ser feitas individualmente. As gestoras precisam dedicar tempo e atenção à cada cliente para propor as melhores operações baseadas nas oportunidades que sejam adequadas para cada perfil.

A importância de um time de especialistas

Monitorar as flutuações do mercado é muito importante, mas é preciso uma equipe para analisar os dados e transformá-los em oportunidades.

Na Esfera contamos com um time de especialistas multidisciplinares, divididos em diferentes áreas, totalmente dedicados à análises de comportamentos do mercado que trazem dados para embasar o planejamento das estratégias sugeridas.

Algumas áreas na Esfera que são essenciais no planejamento estratégico e gestão dos nossos clientes: 

Área de Risco e Inteligência

A área de risco atua com previsões e insights sobre o preço da energia de forma rápida e assertiva para os clientes. 

Essa área é focada em analisar as variáveis estratégicas que influenciam no preço da energia como: previsão de chuvas, previsão de vazões, nível de armazenamento das usinas, entre outras. 

Com essas variáveis rodam os modelos de preços e, em conjunto com a área de Monitoramento e Inteligência de Mercado, projetam diversos cenários para a melhor tomada de decisão.

Monitoramento e Inteligência de Mercado

A área de Monitoramento e Inteligência de Mercado, além do acompanhamento das variáveis supracitadas acima, analisa outras variáveis que também impactam diretamente o preço da energia, como a projeção de carga no SIN (Sistema Interligado Nacional), as tendências de preços dos contratos de energia, o crescimento do PIB, entre outras. 

Com as rodadas de preço feitas em conjunto com a equipe de Risco e Inteligência, analisam o impacto de todas as variáveis de mercado e criam juntos diversos cenários de preços.

Eles relacionam todas essas variáveis e os cenários de preços com a estratégia de contratação de cada cliente para propor operações personalizadas e os melhores momentos para a contratação de energia. 

Com foco especial no cliente, a área trabalha em análises personalizadas para sugerir as melhores oportunidades que potencializam os benefícios que o Mercado Livre de Energia oferece.

Operações e Assuntos Regulatórios

A equipe de operações e assuntos regulatórios monitora e coordena todas as atividades regulatórias, como audiências públicas, reajustes tarifários, alterações nas legislações setoriais e outras variáveis.

Estão sempre presentes em reuniões de agências e instituições regulatórias para representar os interesses dos clientes no Mercado Livre de Energia.

Além disso, eles analisam as alterações regulatórias com base nas condições contratuais de cada cliente para encontrar as melhores soluções nas mudanças regulatórias ou legais. 

Esse processo é desenhado com estratégias individuais para potencializar os ganhos ou reparar possíveis perdas de cada cliente.

Atendimento

A área de atendimento está totalmente focada no cliente e reúne as informações de todas as outras áreas para definir, junto ao cliente, as melhores estratégias para cada negócio.

Um bom  atendimento precisa ser pessoal e personalizado e estar sempre disponível, seja para propor soluções para os desafios dos clientes, tirar dúvidas ou discutir sobre cenários futuros.

Em um atendimento diferenciado e próximo, o executivo de contas conhece os detalhes sobre as informações dos seus clientes e tem propriedade para sugerir operações que façam mais sentido para cada um deles.

Consultoria Boutique versus Consultoria Generalista

No Mercado Livre de Energia ter uma consultoria dedicada ao seu negócio é fundamental para trazer oportunidades reais que maximizem os resultados de ganhos

Consultorias generalistas oferecem serviços padronizados a todos os clientes, sem análises individuais que sejam adequadas para cada perfil. Isso impossibilita a estruturação de uma estratégia individual que aumente as possibilidades de ganho e mitigue os riscos de exposição ao mercado. Sem o conhecimento individual do cliente, a consultoria reduz as oportunidades de calls direcionais assertivos para o momento ideal de compra e venda de energia. Esse distanciamento também proporciona baixa flexibilidade nas negociações.

Na Esfera Energia são feitas análises detalhadas e individuais de cada cliente, nos permitindo dar o call no melhor momento para compra para cada um deles. Com isso nós conseguimos proporcionar mais eficiência nas contratações, gerando uma economia de 7% a mais, em comparação ao Mercado

Aqui temos um time dedicado à performance da sua empresa no Mercado Livre de Energia, que monitora todas as variáveis que influenciam no preço da energia, estuda diariamente os melhores momentos para a contratação e propõe operações desenhadas exclusivamente para o seu negócio.

Isso é a Esfera. Isso é o nosso diferencial e está no nosso DNA. 

Clique aqui e vem ser livre com a gente!