Novidades do setor de energia

energia-azul-2

Energia azul: o que é, como funciona e os prós e contras dessa promissora fonte

Você consegue imaginar sua casa iluminada graças ao contato entre a água doce e a água salgada? Pois é exatamente esse o conceito por trás da energia azul, uma das principais apostas dos cientistas quando o assunto é o futuro da geração de energia.

Diante da perspectiva do esgotamento das fontes fósseis e a disseminação das práticas de sustentabilidade, cada vez mais empresas apostam em energia renovável. Enquanto outros tipos de geração de energia, como a eólica e a solar, se consolidam no mercado, a energia azul ainda engatinha, mas demonstra um potencial gigantesco.

Tanto que em 2001 foi fundada a Ocean Energy Systems (OES), uma extensão da Agência Internacional de Energia (AIE) dedicada a estudar o aproveitamento econômico da energia gerada pelos oceanos. E nesse escopo também está incluída a energia azul.

Mas, afinal, o que é energia azul? Como ela é gerada e quais são os prós e contras desta solução energética? É exatamente isso que vamos responder nas próximas linhas. Confira!

O que é energia azul?

Para entender o que é energia azul, vamos precisar lembrar de alguns conceitos básicos das aulas de Química. Afinal de contas, estamos falando da energia que é obtida por meio da diferença de concentração de sal entre a água do mar e água de um rio.

Imagine um tanque dividido por uma membrana semipermeável no qual há água de um rio de um lado e água do mar do outro. A diferença de salinidade entre elas faz com que as moléculas de água doce atravessem a membrana e passem para o lado da água salgada, causando uma pressão que é transformada em eletricidade.

Existem dois métodos práticos para ativar essa geração de energia e ambos dependem da osmose com membranas, razão pela qual também é chamada de energia osmótica. São eles:

  • Osmose Retardada por Pressão
  • Eletrodiálise Reversa

Ambos métodos, que detalharemos mais adiante, foram criados na década de 70 pelo professor Sidney Loeb, da Universidade Ben-Gurion de Negev, em Israel. A ideia lhe ocorreu enquanto observava o rio Jordão fluindo para o Mar Morto.

Desde então, a energia azul foi testada com sucesso em laboratórios mundo afora, mas apenas em 2009 a empresa Statkraft construiu na Noruega a primeira usina do mundo para aproveitar a energia osmótica. Para entender melhor seu funcionamento, vamos ao próximo tópico.

Como funciona a energia azul?

Na usina da Statkraft a energia azul é gerada por meio do método de osmose retardada por pressão. Mas, como vimos acima, também é possível obtê-la por eletrodiálise reversa. Vamos entender como funciona a geração em ambos processos:

Osmose Retardada por Pressão

Nesse método, a água doce e a água salgada são enviadas para uma câmara, onde ficam divididas por uma membrana semipermeável. Ao entrar em contato, a pressão exercida pelo fluxo sobre o lado da água do mar é usada para acionar uma turbina e produzir energia elétrica.

energia azul
Fonte: Acciona

Eletrodiálise Reversa

Aqui a energia é gerada quando a água salgada e a água doce passam por uma pilha de membranas de troca catiônica e aniônica alternadas, criando uma espécie de “bateria de sal”. A energia elétrica surge graças à diferença de concentração de íons.

Fonte: Acciona


Além dos dois principais, existem outros métodos de geração de energia azul que ainda estão nos estágios iniciais de testes. São eles:

  • Método Capacitivo: A energia é gerada por meio do carregamento cíclico de eletrodos em uma mistura de água doce e salgada.
  • Diferença de pressão de vapor: O diferencial desse método é não requerer uma membrana e ser menos dependente da filtração.
  • Lagoa Solar: No lugar da energia osmótica, usa a luz do sol que atinge o fundo de uma lagoa de água salgada.
  • Nanotubos de nitreto de boro: Segue o mesmo conceito da osmose retardada por pressão, mas por meio de um sistema experimental de nitreto de boro que produz mais energia que o método da Statkraft.

A energia azul é renovável?

A energia azul é apontada como uma das fontes de energia do futuro justamente por ser renovável. E isso se aplica a cada um dos métodos de obtenção que descrevemos acima.

Além de ser uma fonte inesgotável, a energia azul também pode ser considerada uma energia verde. Nenhuma das técnicas utilizadas para sua geração emite gases poluentes, como o dióxido de carbono.

Essas são apenas algumas das vantagens da energia azul. Para saber melhor os benefícios que ela pode proporcionar, vamos partir para o próximo tópico.

Vantagens da energia azul

A energia azul apresenta uma série de vantagens sobre outras fontes. E não estamos falando apenas dos poluentes combustíveis fósseis, mas também de fontes limpas e renováveis, como a energia eólica e a solar.

O grande diferencial da energia azul sobre outras energias limpas é o fato de ser mais consistente. A geração é menos dependente de fatores externos e climáticos, como o vento e o sol, que podem reduzir a produtividade em determinados períodos.

Além disso, uma planta de energia azul pode ter um tamanho consideravelmente menor que o de outras usinas. Mesmo quando comparada com as solares e eólicas, ela teria um impacto menor na paisagem e não demandaria muito uso do solo.

Desvantagens da energia azul

Apesar de todas as vantagens, a construção de uma planta de energia azul também carrega pontos negativos. Assim como no caso de uma usina hidrelétrica, é preciso levar em consideração os impactos ambientais e os efeitos nos sistemas hidrológicos e nas regras de gestão da água da região.

No entanto, o principal ponto negativo da energia azul ainda é o seu preço. A baixa eficácia em relação ao custo das membranas artificiais usadas para sua obtenção, que são caras e difíceis de produzir, ainda torna sua produção pouco viável.

O futuro da energia azul

Embora ainda não seja viável economicamente, os especialistas acreditam que, uma vez construída a usina, a energia azul pode gerar energia a uma taxa muito mais barata do que a solar e eólica. E vários estudos estão sendo feitos mundialmente para baratear o custo das membranas.

A análise dos indicadores de viabilidade econômica da energia azul é justamente um dos focos da OES, que citamos no início do texto. O chamado Programa de Colaboração Tecnológica em Sistemas de Energia Oceânica é formado atualmente por 24 países e pela Comissão Europeia.

Além do método osmótico, a OES também investe na obtenção da energia gerada por outros elementos oceânicos como:

  • Força das ondas
  • Variação das marés
  • Correntes marinhas
  • Variação das temperaturas

O governo brasileiro não faz parte da OES e tampouco há relatos de estudos avançados sobre a produção de energia azul no Brasil. No entanto, se levarmos em conta a capacidade hídrica e o vasto litoral, o país tem potencial para se tornar um gigante do setor.

Caso as previsões dos cientistas se concretizem e o custo caia consideravelmente nos próximos anos, a energia azul se tornará uma interessante opção limpa e renovável para iluminar lares e alimentar indústrias. E no futuro também estará disponível no Mercado Livre de Energia.

Enquanto a energia azul não chega, vale lembrar que os consumidores do Ambiente de Contratação Livre (ACL) já podem adquirir energia de outras fontes renováveis, como eólica, biomassa ou solar.

Ficou interessado, mas ainda faz parte do mercado cativo? Faça sua migração com a consultoria da Esfera Energia, referência nacional em gestão energética no Mercado Livre de Energia.

A Esfera pode ajudar sua empresa a economizar até 35% nos gastos com energia. Para saber mais, entre em contato conosco agora mesmo!

Saiba tudo sobre o Mercado Livre de Energia